Hip-Hop O quê que tá pegando?

“Paz em Meio ao Caos”, novo clip do RZO

RZO_divulgacao_2016_LeviCruz(1500x1000)

 

Lançamento do videoclipe/single “Paz em Meio ao Caos” – RZO ft. Bone Thugs-N-Harmony

Dia 24/06 | Sexta | 16h00 | no canal www.youtube.com/rzooficial

 

Por Boia Fria Produções

 

Os fãs de hip hop já podem comemorar: o RZO lança em seu canal do YouTube, nesta sexta-feira (24/06, às 16h), o aguardado videoclipe e single “Paz em Meio ao Caos”, parceria com os rappers norte-americanos do Bone Thugs-N­Harmony. É a primeira vez que um grupo brasileiro grava com uma das maiores lendas do rap mundial.

A colaboração inédita desses dois ícones do rap é fruto de um encontro que aconteceu em 2015, quando o Bone Thugs veio ao Brasil para uma série de shows. Identificados com a produção e a levada do grupo de Pirituba, os norte-americanos aceitaram o convite para participar da gravação da música, que começou antes mesmo de virem ao Brasil. Além de proporcionar um show histórico do Bone Thugs com participação do RZO, o encontro rendeu também boa parte das cenas do videoclipe, gravadas na Favela do Paquetá, em Pirituba. O single ficará disponível com exclusividade no Spotify por uma semana, a partir de sexta-feira. A faixa integra o novo álbum do RZO (sigla para Rapaziada da Zona Oeste), com lançamento previsto para setembro.

Dirigido por Paulinho Caruso, da O2 filmes, o clipe de “Paz em Meio ao Caos” capta bem o clima de tensão da música ao fazer um recorte da gritante desigualdade social que afeta principalmente o morador das periferias brasileiras. Na tela, os rappers do Bone Thugs aparecem desfiando suas rimas em cima da batida do DJ Cia, com Sandrão, Helião, Negra Li, Nego Jam e Calado dando o recado em versos contundentes. Os personagens da história são interpretados pelos atores Milhem Cortaz (“Tropa de Elite”, “Carandiru”) e Marcos ‘Kikito’ Junqueira (“Cidade de Deus”, “Tropa de Elite 2”), o apresentador João Gordo e os rappers DBS e Ice Blue (Racionais MC’s).

 

Um dos mais aclamados representantes do rap brasileiro, o RZO surgiu no final da década de 1980 no bairro de Pirituba, zona oeste de São Paulo. Aliando musicalidade e ideologia com incomparável sagacidade poética, lançou em 1999 seu primeiro álbum, “Todos São Manos”, sucesso de público e crítica. O segundo disco, “Evolução é Uma Coisa”, repetiu a repercussão em 2003, ano em que os rappers ganharam o Prêmio Hutúz de Melhor Grupo. Considerado a vanguarda do rap nacional da época, o RZO criou clássicos do gênero como “O Trem” e “Paz Interior”, e revelou talentos promissores como Sabotage, Dina Di e DBS, entre outros. Após interromper as atividades em 2004, o RZO ficou 10 anos sem se reunir até que, em 2014, retornou aos palcos em grande estilo.

Apadrinhado por Eazy­E, do NWA, o Bone Thugs­N­Harmony foi criado no começo dos anos 1990, sendo conhecido mundialmente por suas rimas ligeiras e músicas recheadas de harmonia com destaque para os vocais, o que rendeu o título de “o grupo de rap mais melódico de todos os tempos”, segundo a MTV. Vencedor do Grammy, o Bone Thugs já vendeu milhões de discos, influenciou toda uma geração de rappers e tem faixas de sucesso com Eazy­E, 2Pac, Notorious B.I.G., Mariah Carey e Akon, entre outros.

Nos EUA ou no Brasil, não importa, o recado é o mesmo: “você precisa ter coragem pra encontrar paz em meio ao caos”.

+RZO

Um dos mais aclamados grupos de rap do país, o RZO surgiu no final da década de 80 no bairro de Pirituba, zona oeste de São Paulo. Aliando musicalidade e ideologia com incomparável sagacidade poética, em 1999 o RZO lançou o seu primeiro álbum, “Todos São Manos”, pela gravadora Cosa Nostra, do já então consagrado grupo Racionais MC’s. O disco foi sucesso de crítica e de vendas, garantindo que em pouco tempo o RZO conquistasse uma legião de fiéis admiradores.

No mesmo ano, com a entrada do DJ Cia como DJ e produtor do grupo, o RZO iniciou os trabalhos do seu segundo – e genial – álbum, “Evolução é Uma Coisa”, que quatro anos depois, em 2003, repetiu a repercussão do primeiro, com destaque para o nítido amadurecimento nas letras e na produção. Aclamado como a vanguarda do rap nacional da época, o grupo também passou a revelar talentos promissores como Sabotage, Dina Di, DBS, entre outros. A partir da chamada Família RZO, nos anos seguintes, esses e muitos outros MCs firmaram carreiras solo na cena nacional.

Antes da separação, que aconteceria em 2004, o RZO era reconhecido pelos jovens como um dos nomes mais representativos do rap brasileiro, legitimados pelo constante crescimento do seu público em apresentações homéricas e por receberem prêmios como o Hutúz 2003, na categoria melhor grupo. Ironicamente, ao mesmo tempo em que escrevia o seu nome para sempre na história do rap nacional, o RZO também escrevia os últimos capítulos da história do grupo até então. Durante 10 anos, sua música continuou a ecoar por todo o Brasil, conquistando novos fãs, até que o grupo decidiu voltar à atividade em 2014. O RZO experimentou a retomada do contato com o público em shows como a Virada Cultural e na aparição surpresa na primeira edição do festival SP RAP.

 

 

Você também pode gostar